Saturday, January 29, 2011

Expedição Atlas - Toubkal (Abr 2007)





Toubkal Páscoa 2007
Na semana que se seguiu à Páscoa, um grupo de alunos, antigos alunos e professores do Curso de Desporto de Natureza e Turismo Activo da Escola Superior de Desporto de Rio Maior, realizou uma expedição de montanhismo ao cume do Thoubkal, o ponto mais alto da Africa do Norte, que fica situado na cordilheira do Alto Atlas em Marrocos e tem uma altitude de 4167m.. Entre os 11 montanhistas estavam 3 caldenses – Luís Carvalhinho, Henrique Frazão e Vitor Milheiro

Foi uma semana espectacular em que passámos por locais maravilhosos e paisagens deslumbrantes.

O primeiro momento alucinante foi a travessia da cidade de Marrakech, com um trânsito infernal em que nos cruzamentos avançam todos ao mesmo tempo.

Após dois dias de viagem, junto à costa, já o sol estava escondido por detrás de montanhas, quando chegámos ao refúgio de montanha de Imlil, que fica a 1720m.

O 3º dia foi o dia em que subimos ao refúgio de Nelter, que fica a 3207m. Foi uma caminhada de quase 6 horas (16km), muito agradável, sempre á beira de um rio, num vale rodeado por montanhas com mais de 3000m. Alugámos 3 mulas para nos levarem o equipamento de montanhismo e a comida para 3 dias.

Quando chegamos ao refúgio começou a nevar e continuou durante toda a noite.
No dia seguinte estava tudo coberto de neve e foi o dia da subida ao cume do Thoubkal, mas as condições climatéricas não estavam nada favoráveis.
Como estávamos todos motivados e determinados em ir lá cima, às 6h da manhã fomos os primeiros a sair do refúgio em direcção ao cume. No início a visibilidade estava boa e até o sol deu uma espreitadela. Ainda deu para tirar algumas fotos, mas à medida que fomos subindo o vento começou a soprar cada vez com mais força, com rajadas que nos lançavam partículas de gelo a grande velocidade. As rajadas de vento e a falta de visibilidade obrigavam a um andamento mais lento, o que fez com que alguns elementos do grupo começassem a sentir muito frio.

Com aquelas condições havia muitos riscos; quedas, hipotermia ou alguém perder-se do grupo e não encontrar o caminho de regresso. Lembrámo-nos das palavras sábias do João Garcia - o objectivo só está atingido quando subimos e descemos em segurança.
O líder da expedição, Luís Carvalhinho, acabou por tomar a sensata decisão de abortar a subida e fazer descer todo o grupo para o refúgio. Foi uma decisão que deixou alguma frustação, pois estávamos a apenas 300m do cume. Mas valeu pela fantástica e inesquecível experiência de alta montanha.

Chegados ao refúgio, e como as previsões para o dia seguinte eram também de mau tempo, decidimos vir embora. Depois de almoçar, arrumámos as mochilas, carregámos as mulas e regressámos a Imlil, onde tomamos o primeiro banho quente em 4 dias!

Como tínhamos 3 dias para voltar a casa, optámos por regressar pelo interior de Marrocos… e fomos recompensados com um tempo magnífico, paisagens deslumbrantes, aldeias lindas e um povo simpático e hospitaleiro.

A beleza e monumentalidade da travessia do Atlas deixou toda a gente sem palavras. As cores, os contrastes e a luminosidade das paisagens são espectaculares, A seguir a cada curva havia sempre um motivo novo para tirar mais uma bela fotografia. Pelo caminho muita gente a vender pedras preciosas e fosséis.
Parámos em Ouarzazate - a cidade do cinema marroquino - onde almoçamos, visitámos a Medina (cidade antiga) e fizemos as últimas compras.

Continuámos até Errachidia, onde chegámos já muito tarde. Aqui vivemos uma experiência única de hospitalidade do povo marroquino. Ao pedir informações a um indivíduo, este indicou-nos local para dormir, acompanhou-nos a um sítio para comer e quando íamos para pagar … já ele tinha pago!!!

No dia seguinte, continuou a viagem. Fomos deixando as montanhas e avançando para Norte. A paisagem foi-se tornando mais verdejante, mas também menos espectacular.

Como o mais importante numa viagem não é o chegar, mas sim o “caminho”, viemos todos encantados com a experiência. Não conseguimos chegar ao cume do Thoubkal, mas fomos recompensados com um país magnífico, de paisagens deslumbrantes e com um povo muito simpático e hospitaleiro.

…E o cume do Thoubkal com os seus 4167m, continua lá… à espera que lá voltemos um dia destes.


Vitor Milheiro